Wanderley Guilherme: Entre borboletas e vermes

.

Por Wanderley Guilherme dos Santos – 30 de outubro de 2015 – no Segunda Opinião

Na improvável hipótese de que a política permaneça em estado larvar até 2018, o que a oposição espera ganhar? Política larvar porque o envelope esconde a mutação contínua do conteúdo. Um belo dia sai de lá uma borboleta e o mundo fica mais bonito. Ou um verme, para desgosto de todos exceto da mamãe verme. Quando não se reconhece a larva, ignora-se a natureza do rebento, produzindo ansiedade nos interessados no parto. Caso da política larvar, em que cada dia se parece exatamente com o anterior, sem que a silenciosa bioquímica da gestação se faça conspícua. Com prazo de validade desconhecido, a gestação pode ser bem sucedida ou interrompida a qualquer momento até que, em 2018, a intervenção do voto ponha tudo à luz para susto de alguns e alvíssaras de outros tantos. Em qualquer caso, o bem nascido não há de se parecer com a pasmaceira atual. Nem a letargia do momento expressa parada cardíaca dos acontecimentos embrionários. Mas se nada de memorável acontecer, o que pensa a oposição oferecer em escambo por voto, em 2018?
Algemada à tese do impedimento presidencial, a oposição agarra-se à estratégia de, para início de conversa, impedir o governo de governar. Início e fim, pois a sucessão de fracassos administrativos do Executivo desagua no impedimento operacional da presidente Dilma Rousseff. Limitado à demanda por ato formal interrompendo o governo ou o manietando enquanto e não, o aceno tucano-partidário será nulo, em 2018, pois de um modo ou de outro o governo terá terminado. Em amargo sentido, a oposição terá falhado justamente com o desenlace que buscava: o fim do mandato presidencial. Não tendo mais nada a dizer, é duvidoso que da oposição surja uma borboleta capaz de encantar Vladimir Nabokov, conhecido borboletólogo, em português canhestro, o que deixa no ar inquietante interrogação: se os tucanos e seus acompanhantes não vão parir uma borboleta (o que seria estranhíssimo, convenhamos), o que nos reservam as dores abdominais de um governo acamado, se se prolongarem por três anos?
Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s