EUA: como apenas 158 famílias financiam grande parte das eleições presidenciais

A maioria destas famílias compartilha com os candidatos republicanos a vontade de se livrar dos obstáculos regulamentares às suas empresas.

ESQUERDA.NET – 13/10/2015

Algumas dezenas de pessoas que fizeram fortuna nos setores de energia e finanças e são totalmente desconhecidas do grande público contribuíram com quase metade dos recursos arrecadados até agora pelos candidatos à eleição presidencial americana
Algumas dezenas de pessoas que fizeram fortuna nos setores de energia e finanças e são totalmente desconhecidas do grande público contribuíram com quase metade dos recursos arrecadados até agora pelos candidatos à eleição presidencial americana. O New York Times debruçou-se sobre estas famílias ‘sui generis’, cujas contas bancárias definem a política dos EUA.
Segundo o jornal americano, 158 famílias doaram 176 milhões de dólares, equivalentes a quase a metade dos recursos arrecadados até agora pelos candidatos: uma concentração sem precedentes desde os anos 1970. Estas famílias, obviamente, estão longe de representar o lar americano médio e as suas fortunas vêm principalmente das finanças, do setor de energia ou do entretenimento.
Elas formam o que o New York Times descreve como “uma classe à parte, longe da maioria dos americanos, mesmo estando geografica, social e economicamente próximos”. Muitas vezes, vivem nos mesmos bairros – de Los Angeles, Houston ou Miami – poucos herdaram as suas fortunas e muitos são imigrantes, não tendo nascido nos Estados Unidos.
“Independentemente de posições políticas, eles fazem parte dos conselhos das mesmas orquestras sinfónicas, dos mesmos museus ou programas para a juventude. São sócios nos negócios, casam os seus filhos entre si e, às vezes, enfrentam-se em partidas de poker”, explica o jornal.
Este pequeno grupo de americanos financia principalmente candidatos republicanos. Isto explica-se por laços pessoais e económicos – alguns candidatos tendo ficado ricos na mesma área de atuação de seus doadores de campanha – mas, principalmente, por afinidade ideológica. A maioria destas famílias compartilha com os candidatos republicanos a vontade de se livrar dos obstáculos regulamentares às suas empresas. Muitos candidatos republicanos querem, por exemplo, anular algumas das disposições da Lei Dodd-Frank, adotada após a crise financeira de 2008, estabelecendo barreiras jurídicas para os fundos hedge, que muitas dessas famílias possuem.
O jornal americano também vê nesta tendência republicana, um “contrapeso financeiro” à tendência demográfica a favor dos democratas. A maioria dos americanos é a favor de mais impostos sobre os mais ricos e de uma maior intervenção do Estado para corrigir as desigualdades.
New York Times observa que, paradoxalmente, embora o montante gasto pareça importante, representa uma fração insignificante da riqueza dessas famílias. Kenneth Griffin, banqueiro de Chicago, por exemplo, gastou 300 mil dólares na eleição, o que, proporcionalmente, equivaleria a 21 dólares num orçamento americano médio.
Este desequilíbrio também é resultado do decreto Citizens United, do Supremo Tribunal dos EUA que, em 2010, reduziu as restrições legais à participação de empresas no financiamento de campanhas políticas no país.
Artigo publicado em Le Monde, traduzido por Clarisse Meireles para Carta Maior
Termos relacionados Notícias internacional
Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s