A Folha e o agendamento conservador do país

29/07/2013

O editorial da Folha deste domingo, ‘Mitos das Redes Sociais’, exercita o malabarismo dissimulatório típico de um poder declinante, que pretende estender sua vida útil cerceando o curso da história.

No caso, trata-se de desqualificar ‘a forma de jornalismo’ praticado nas redes sociais – “mais sujeita a falhas do que as já frequentes no jornalismo profissional”, diz o texto, que justifica: “Informações se divulgam sem comprovação, quase sempre embaladas nas estridentes convicções, autênticas mas parciais, de seu emitente”.

É forçoso lembrar.

Um: o que se transcreve é um trecho editorial do veículo que se notabilizou, em 2009, por dar veracidade a uma ordinária falsificação de documento da polícia política da ditadura, de modo a prejudicar a então pré-candidata, Dilma Rousseff.

Dois: a Folha até hoje, repita-se, até hoje, não assumiu o erro grosseiro de manipulação.

Três: não foi um ponto fora da curva.

Tampouco representou um divisor, a partir do qual o jornal imbuiu-se de maior isenção e rigor na veiculação dos fatos.

Para não abusar da redundância, confira-se, nesta página de Carta Maior, a ‘falha’ da casa Frias na seleção e manipulação de indicadores de uma pesquisa eleitoral recente, de modo a desidratar Dilma e poupar Alckmin.

Estamos diante de uma norma.

De absoluta falta de compostura no presente, da qual já se teve robusta evidência no passado, e de cuja incidência dificilmente se escapará na campanha eleitoral de 2014.

A pluralidade da informação não pode ser reduzida a uma maratona para escalonar os campeões de erros e acertos na prática do jornalismo.

Por certo, a rede social comete os seus. Por certo, a exemplo da narrativa pré-fabricada Barão de Limeira, há manipulação também no mundo da web.

Por certo, a questão deve ser colocada em outros termos.

Se o interesse for salvaguardar a formação do discernimento crítico da sociedade, não serve a disjuntiva do editorial, centrado na suposta supremacia de um modelo de mídia que pressupõe o monopólio da informação.

É a preservação desse estatuto, cujo requisito é o sufocamento do jornalismo praticado na rede, que ordena as advertências e o lobby dos barões da mídia em relação ao Marco Civil da Internet, a ser votado em agosto na Câmara dos Deputados.

O que está em disputa, na verdade, é uma questão política de relevância decisiva dos dias que correm e naqueles que virão, já tratada neste espaço e em sites e blogs progressistas.

O jornal, em nome dos seus pares, quer manter intacto o poder de agendamento sobre o país.

Quer preservar, através do monopólio da emissão, o poder de determinar aquilo sobre o que o Brasil deve e não deve discutir; pode e não pode cogitar.

Hoje, meia dúzia de corporações determinam os limites desse gradiente.

O resto obedece – incluindo-se nesse genuflexório, não raro, o próprio governo.

Um dos pratos principais desse agendamento – do qual a Folha se desincumbe com afinco — consiste em dissolver o PT e seus governos num caldeirão fervente de desastre e suspeição.

A meta, desde 2003, sublinhe-se, é transformar anseios progressistas abarcados pelo partido num frango desossado, incapaz de ficar de pé, sobretudo num palanque.

O agendamento conservador falhou em 2006 e em 2010.

Persiste no mesmo diapasão a caminho de 2014, com algumas inovações.

Uma delas é o neogolpismo, aquele que arremete por dentro das regras institucionais, aliás invocando o papel de guardião daquilo que golpeia.

O novo ferramental não se dispensa de artefatos do velho repertório.

Avulta, como antes, a falta de respeito e o preconceito de classe, recorrente nos confrontos entre a ‘informação ‘menos falha’, alardeada pela Folha, e as demandas progressistas históricas da sociedade brasileira.

A outra novidade do arsenal é essa que o editorial insinua.

Barrar a emissão pluralista e insurgente de uma rede social que argui e disputa a agenda do país com o monopólio conservador.

O saldo positivo das gestões petistas apenas radicalizou essa necessidade de calar canais alternativos de formação da agenda política brasileira.

Em tempo: a palavra saldo aqui não condensa uma evolução linear, nem isenta o percurso das críticas e contradições inerentes a governos policlassistas de centro esquerda.

O fato é que o atrito crescente entre esse conjunto radicalizou a narrativa conservadora.

Presa em uma dupla travessia de esgarçamento tecnológico e político, ela dobrou a aposta no tudo ou nada.

Analistas de maior consistência e equidistância são expelidos de seus veículos; ou abafados pelo alarido grosseiro do segundo escalão.

A fotografia cede lugar ao photoshop. Literalmente e eticamente (veja-se a edição das fotos selecionadas pela Folha para ilustrar a entrevista da Presidenta Dilma ao jornal, na edição deste domingo).

O nível degrada.

Tome-se o exemplo a página 2 da mesma Folha.

Ali já escreveram progressistas como Antonio Calado e conservadores como Otto Lara Resende, entre outros. Ambas as cepas com expressões de alto nível.

Com honrosas exceções, tornou-se um rodapé intelectual.

Dele escorre o suor inglório dos que brigam com as palavras para compensar a irrelevância do que dizem em decibéis adicionais.

Isso para não falar de casos clínicos.

‘Veja’, que um dia foi dirigida por Mino Carta, é cada vez mais um encadernamento de rascunhos tolos do Tea Party.

A forma como esses veículos rejeitam a regulação da mídia –e tentam induzir o Marco Civil da Internet a cercear a rede social–, dá testemunho de uma dependência autoritária em relação ao futuro.

Carta Maior, ao contrário do editorial da Folha, entende que ter lado é uma virtude do jornalismo.

A indispensável lealdade com o leitor consiste em oferecer-lhe nossas coordenadas históricas: a construção de uma sociedade democrática e socialista.

Elas formam o mirante das nossas ideias.

Sobre ele repousa nosso olhar sobre o país e o mundo.

A pretensão da Folha e assemelhados de apresentar-se à sociedade como um canal de informação sem a “mácula” do engajamento tem um nome.

Fraude.

A máscara rota mais revela do que esconde.

Não há observador neutro.

Assim como nas relações sociais não há conhecimento dissociado de envolvimento na ação.

“Não foi a Internacional que levou os operários à greve; foram as greves que levaram os operários à Internacional”, respondeu Marx à imprensa burguesa, que acusava os ‘agitadores’ de manipular e incutir “ideias” totalitárias na cabeça dos trabalhadores.

Isso, em 1864.

Responde com notável pertinência aos esperneios dos editoriais conservadores no Brasil do século 21.

Postado por Saul Leblon às 05:28

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s