Senadora dos EUA pede fim à alimentação forçada em Guantânamo

10 DE JULHO DE 2013 – 8H37 

 senadora estadunidense Dianne Feinstein, que costuma advogar pelo encerramento da prisão ilegal mantida pelos EUA na base militar de Guantânamo, ressaltou nesta terça-feira (9) a crueldade da prática de alimentação forçada imposta aos 45 detidos em greve de fome. Dianne é presidente da Comissão de Inteligência do Congresso norte-americano.

 

US House of Representatives

Senadora dos EUA Dianne Feinstein

A senadora democrata dos EUA Dianne Feinstein pede o fim da alimentação forçada aos detidos em greve de fome em Guantânamo.

A senadora explicou que os detentos “são atados a uma cadeira por seus troncos, seus pés, mãos e, duas vezes ao dia, introduzem neles um tubo pelo nariz até o estômago, talvez recoberto de azeite de oliva, obrigando-os a se alimentar”.

Dianne visitou a base militar de Guantánamo, em Cuba, em 7 de junho, com o senador republicano John MacCain e o secretário-geral da Casa Branca, Denis McDonough, e fez protestos contra as condições dos detidos juntamente com o senador Richard Durbin. 

Ambos são democratas, e Dianne já havia se pronunciado sobre a questão naquele mês, enviando uma carta em que pedia o fim da alimentação forçada ao secretário de Defesa, Chuck Hagel.

O presidente Barack Obama se diz favorável ao fechamento da prisão, que abriga 166 detentos, mas uma lei aprovada pelo Congresso recentemente proíbe o translado dos presos para território americano. Entretanto, analistas levantaram a possibilidade de Obama usar do poder Executivo para forçar o encerramento da prisão.

Após a rejeição da Justiça, na segunda-feira (8), à demanda do sírio Abu Wa’el Dhiab pelo fim da alimentação forçada durante o jejum do Ramadã (mês de observação religiosa para o Islã), um grupo de senadores se dispôs a escrever ao presidente Obama.

A juíza Gladys Kessler explicou que as leis aprovadas pelo Congresso a impediam de intervir porque não tem jurisdição sobre o assunto, mas que restava “uma pessoa com autoridade para enfrentar esses problemas”, e essa pessoa é o presidente.

Dos 106 grevistas de fome, em protesto por sua detenção indefinida e pela falta de acusações formais contra eles, 45 são alimentados à força, segundo os últimos dados divulgados na sexta-feira (5) pelos responsáveis por Guantánamo. Três dos grevistas estão internados.

Com agências,
Da redação do Vermelho

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s